Descoberto o segredo dos “gémeos falsos”


alt


Quando são concebidos, os gémeos podem ser idênticos – em resultado da divisão de um só óvulo – ou serem semelhantes a quaisquer irmãos – em resultado da fecundação de dois ou mais óvulos libertados pela mãe no mesmo mês. Até agora, pouco se sabia sobre o que estava na origem da segunda situação, também designada como de “gémeos dizigóticos”. Mas, recentemente, uma larga equipa internacional de investigadores parece ter descoberto o segredo: trata-se de uma predisposição genética da mulher.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas da Austrália, Estados Unidos, Finlândia, Islândia, Reino Unido, Suécia, Singapura, Holanda e Suécia analisaram o genoma de cerca de duas mil mães de gémeos falsos. E descobriram que as que possuem uma determinada variante de dois genes específicos apresenta um aumento de 27 por cento de dar à luz gémeos dizigóticos. Em declarações à publicação científica “The American Journal of Human Genetics”, Dorret Boomsma, da Universidade Vrije (Holanda) revela que esta era uma teoria “há muito esperada”.

Os dois genes agora identificados chamam-se FSHB e SMAD3. Os cientistas encontraram nas mulheres que têm gémeos dizigóticos uma variante do gene FSHB que está associada a níveis sanguíneos mais altos da hormona estimulante dos folículos. Esta hormona é responsável por fazer amadurecer os ovócitos nos ovários. Com níveis mais altos desta hormona, podem ser libertados vários ovócitos ao mesmo tempo, o que facilita a existência de gémeos dizigóticos.

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

Prazeres simples

alt

A felicidade está na moda. É tema de livros e dissertações, mote de fotografias e exposições. E receitas não...

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais